publicidade
publicidade
Max:34° Min:22°
Araguaína
Araguaína-TO, domingo, 20 de maio de 2018
Siga a REDE TO

Estado

MPE denuncia dono de animal que provocou acidente grave no TO

Para Ministério Público, pecuarista assumiu o risco de causar fatalidade

16/05/2018 17h26 | Atualizado em: 17/05/2018 16h51

Ilustração O acidente aconteceu na noite de 27 de setembro de 2017, na TO-201, entre as cidades de Augustinópolis e Buriti do Tocantins, no extremo norte do estado

REDAÇÃO
REDE TO


O Ministério Público Estadual denunciou, na terça-feira, 15, o pecuarista Alcir Bernardino da Silveira, de Augustinópolis, no extremo-norte do Tocantins, pelo crime de lesão corporal grave. O MPE entendeu que ele assumiu o risco de causar um acidente de trânsito ao dar condições para que um bovino escapasse de sua propriedade e invadisse a TO-201, onde colidiu com um veículo.

O acidente aconteceu na noite de 27 de setembro de 2017, no trecho da rodovia entre as cidades de Augustinópolis e Buriti do Tocantins. O veículo atropelou o animal e saiu da pista, colidindo com uma cerca de arame.

Conforme laudo de exame de corpo de delito, o motorista sofreu traumatismo crânio facial grave com edema cerebral, teve ferimento com cicatriz deformante na face, falência renal que resultou na necessidade de hemodiálise e uma fratura do cotovelo que destruiu a articulação e lesionou os nervos, causando a perda ou inutilidade do seu braço esquerdo. 

Na denúncia criminal, o promotor de justiça
 Paulo Sérgio Ferreira afirma que o animal fugiu da propriedade em razão da precariedade na manutenção das cercas que delimitam a fazenda do pecuarista. O representante do MPE argumenta que reiteradas vezes os animais de Alcir foram vistos na mesma rodovia, tendo inclusive provocado outros acidentes.

De acordo com o MPE, por assumir o risco de causar o acidente da noite de 27 de setembro, o pecuarista foi denunciado como ator do fato, ou seja, da lesão que resultou em perda ou inutilidade de um dos membros da vítima. A pena para o crime de lesão corporal de natureza grave varia de dois a oito anos de reclusão. 

 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.