publicidade
publicidade
Max:33° Min:21°
Araguaína
Araguaína-TO, terça, 23 de outubro de 2018
Siga a REDE TO

Economia

Com R$ 3,3 bilhões, Banco da Amazônia é destaque na concessão de crédito

21/03/2018 18h59

Divulgação Segundo o presidente Marivaldo Melo, o volume de crédito aplicado potencializa os efeitos multiplicadores da economia, elevando o PIB, o nível dos salários, a arrecadação de tributos e a geração de novos empregos na Amazônia

As contratações com recursos de crédito de fomento, realizadas pelo Banco da Amazônia em 2017, somaram R$ 3,3 bilhões para toda a região Amazônica. Somente com o Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), o Banco contratou R$ 2,9 bilhões na região Norte, um aumento de 24,5% em comparação com o mesmo período de 2016, quando foram financiados R$ 2,33 bilhões.

Esses números integram a divulgação do Desempenho Financeiro da Instituição em 2017 que foi apresentada nesta quarta-feira (21), durante coletiva realizada na sede do Banco, oportunidade em que a Instituição confirmou sua posição de destaque na concessão de crédito na Amazônia Legal. Respondendo atualmente por mais de 63% do crédito de fomento aplicado na Região Norte, o Banco figura como maior propulsor de negócios de fomento na Amazônia (Banco Central do Brasil - Relatório disponível base novembro/2017).

Segundo o presidente Marivaldo Melo, o volume de crédito aplicado potencializa os efeitos multiplicadores da economia, elevando o PIB, o nível dos salários, a arrecadação de tributos e a geração de novos empregos na Amazônia.

Entre os benefícios socioeconômicos gerados pelo FNO em 2017 destacam-se os efeitos sobre o Produto Interno Bruto (PIB), com injeção de valores na ordem de R$ 15,12 bilhões; sobre o Valor Bruto da Produção (VBP) – tudo que foi produzido pela indústria, comércio e demais setores da economia –, com cifras de R$ 29,33 bilhões. Sobre os tributos, com valores que alcançaram os R$ 4,3 bilhões; e sobre os salários, com aporte de R$ 2,8 bilhões. O desempenho também impactou a geração de emprego na região. Os empreendimentos incentivados com os créditos do FNO disponíveis colaboraram para a geração e/ou manutenção de 512 mil postos de trabalho.

Ainda de acordo com o presidente, mesmo diante de um cenário difícil de crise econômica nacional, o Banco encerrou o exercício de 2017 com um lucro líquido de R$ 64,5 milhões e Patrimônio Líquido no valor de R$ 1.88 bi. O total de ativos alcançou R$ 17 bi, em comparação ao ano de 2016 (R$14,17 bi), apresentando crescimento de 19,6%.

Para o diretor de Controle e Risco, Luiz Petrônio, embora o resultado financeiro tenha sido menor, o Banco fez um trabalho muito grande de mitigação de riscos, de melhoria nos processos. “Agora, a Instituição se prepara para que 2018 seja melhor e mantenha um relacionamento mais ágil e digital com seus clientes”, declarou.

O diretor de Gestão de Recursos e Portfólio de Produtos e Serviços, Luiz Otávio Maciel Jr, destaca a gestão eficiente nos contratos administrativos a qual gerou a redução das despesas administrativas na ordem de R$ 22,5 milhões, com destaque para o controle das despesas de pessoal e contratos administrativos.

O diretor de Crédito, Francimar Maciel, ressaltou sobre a forte gestão com foco na recuperação de crédito. “Em 2017, foi possível recuperar um volume de R$ 250,3 milhões, perfazendo mais de 33 mil operações”, informou.

Perspectivas para 2018

Para 2018, o Banco da Amazônia planeja aplicar mais de R$ 8,3 bilhões para promoção do desenvolvimento integrado e sustentável da Região Amazônica e, ao mesmo tempo, reduzir as desigualdades intra e inter-regionais, propiciando a melhoria da qualidade de vida das populações locais. Só de recursos do FNO, o Banco tem disponível R$ 5,14 bilhões, mais R$ 2,6 bi da carteira de crédito comercial.

O Banco, focado em seu papel de indutor do fomento produtivo sustentável, planeja investir em melhoria de processos e ferramentas de crédito, desde os sistemas legados, canais de atendimento novos e inovadores processos digitais.

De acordo com o diretor de Infraestrutura de Negócios, Valdecir Tose, o Banco da Amazônia é uma instituição de desenvolvimento, portanto, o seu diferencial é a concessão de crédito de forma sustentável e as interações com o ecossistema de negócios, que, com ações inovadoras, pretende agregar valor ao fomento e propor novas soluções aos clientes. “Nosso objetivo social é muito mais amplo do que nosso objetivo financeiro”, afirmou.

Valdecir Tose ressaltou que o Banco, neste ano, vai operar com a linha de financiamento para beneficiar estudantes integrantes do FIES (Programa de Financiamento Estudantil) e para Energia Solar (Fotovoltaica), considerada um avanço importante para o desenvolvimento sustentável, onde pessoas físicas e jurídicas poderão instalar placas de energia solar, seja em suas residências ou em seus empreendimentos.

O Banco pretende ainda ter estratégia diferenciada e de singularidade no crédito de fomento e atuante também no comercial, evoluir como instituição de crédito, focando para produtos que suportem e auxiliem a rentabilizar a carteira de fomento e crédito, que tenham estreita relação com o nicho de clientes, objetivando a rentabilidade necessária, melhor atendimento, resultando na geração de emprego e renda na Amazônia e melhoria da qualidade de vida das populações locais.

Em termos de expansão da rede de atendimento, está prevista para 2018 a instalação de duas novas centrais; a Central de Crédito 02 (Palmas-TO) e a Central de Crédito 03 (Porto Velho-RO).

 

Da Ascom/Basa

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.